50 frases para lembrar os cinco anos sem Millôr Fernandes

50 frases para lembrar os cinco anos sem Millôr Fernandes

Em 27 de março de 2012, quando Millôr Fernandes voltou para seu planeta, o que para gente comum é “morrer”, alguns veículos da imprensa se apressaram em desmentir que, ao contrário do que muitos acreditavam, Millôr não inventou o frescobol, célebre esporte praticado nas praias do Rio de Janeiro, também conhecido como ping-pong de sunga e sem mesa (por isso sem ping nem pong). Trata-se de uma inverdade! Qualquer pessoa relativamente informada sabe que Millôr não apenas inventou o frescobol como também inventou o avião, o relógio de pulso e o Paulo Francis. Mas como dizia o próprio mestre Millôr: “Antigamente a internet era risonha e franca”. Não mais. Porém, a incorruptível Revista Bula, munida de seu inabalável senso de justiça, por ocasião do quinto aniversário do passamento de Millôr, recupera cinquenta de suas mais geniais e geniosas frases. É a nossa humilde homenagem a Millôr, que sabiamente declarou: “Quando eu morrer, só acreditarei na sinceridade de uma homenagem: o agente funerário não cobrar o enterro”. Concordamos plenamente.