Os livros que Ernest Hemingway julgava seminais

Os livros que Ernest Hemingway julgava seminais

Na edição de fevereiro de 1935, a revista “Esquire” publicou uma lista do escritor norte-americano Ernest Hemingway enumerando 17 livros que ele julgava seminais. Passados quase 80 anos, os livros apontados por ele, em sua maioria, continuam essenciais. Ganhador do Prêmio Pulitzer e do Nobel de Literatura, Hemingway se matou em 1961. A lista, publicada abaixo, foi compilada pelo blog Lists of Note. Ei-los.

Anna Kariênina — Liev Tolstói

Longe e há Muito Tempo — W. H. Hudson

Os Buddenbrooks — Thomas Mann

O Morro dos Ventos Uivantes — Emily Brontë

Madame Bovary — Gustave Flaubert

Guerra e Paz — Liev Tolstói

A Sportsman’s Sketches — Ivan Turgenev

Os Irmãos Karamazov — Fiódor Dostoiévski

Hail and Farewell — George Moore

Aventuras de Huckleberry Finn — M. Twain

Winesburg, Ohio — Sherwood Anderson

A Rainha Margot — Alexandre Dumas

A Casa Tellier — Guy de Maupassant

O Vermelho e o Negro — Stendhal

A Cartuxa de Parma — Stendhal

Dubliners — James Joyce

Autobiografias — WB Yeats