O cinismo tem sede de bala

O cinismo tem sede de bala

Um carro pode ferir e matar. Alguém pode usá-lo para atropelar uma multidão. Mas carro foi feito para a locomoção.

Uma faca pode ferir e matar. Alguém pode invadir uma loja e furar meia dúzia de pessoas. Mas faca foi feita para a vida doméstica.

Um saco de cimento pode ferir e matar. O operário revoltado com o colega pode jogá-lo do andaime quando a vítima passar lá embaixo. Mas cimento foi feito para a construção.

Uma pistola pode livrar um enforcado. O mocinho do filme de faroeste pode mirar na corda do condenado e salvá-lo da morte. Mas pistola foi feita para ferir e matar.

Do total de carros, facas e sacos de cimento vendidos no mundo, quantos o sujeito comprou pensando “hum, um dia vou tocar o terror com esse carro/faca/saco de cimento aqui?”

Do total de pistolas vendidas no mundo, quantas o cara justificou no balcão: “meu amigo, não tem coisa melhor que isso para cortar corda?”

Exceções existem, sim. Mas o resto é um tiroteio de comparações esdrúxulas disparadas com muito cinismo.