As 10 melhores canções de Luiz Melodia

As 10 melhores canções de Luiz Melodia

O Rio de Janeiro vai continuar lindo. Vai continuar lindo para sempre. Não importa se tudo parece incerto, se as balas estão perdidas, se o ar aqui em cima é mais rarefeito, se a culpa pelo caos urbano é do traficante, do funk ou do prefeito, se o cenário político-econômico é insano ou, se olhando do alto do Pão de Açúcar, o nosso modo de vida parece um ledo engano. O Rio de Janeiro vai continuar lindo, mesmo que você me odeie, mesmo você me amando. A visão extasiante da baía existindo lá embaixo, o azul do céu eloquente, a brisa fresca que o olfato pressente, o chope gelado que amortiza as dúvidas na mente, tudo faz com que eu me sinta mais divino que o habitual. O ateu. O cardeal. As vacas de presépio. Muitos dizem que Deus está em tudo, nos cantos, nas coisas, nas pessoas, na miséria e nos momentos felizes.

Deuses cometem lá os seus deslizes. Afinal, endeusar é humano. Construir carreiras promissoras; tornar-se um viciado; voar de Boeing 747; ser enquadrado no artigo 147 do código penal brasileiro; penar, vagar a esmo por um país fuleiro; vencer uma maratona; encontrar a cara-metade; encher a cara; sentir todo o peso do vazio existencial. Ah… Essa péssima sensação de vazio. Apesar da incompletude, o Rio. Ah… O Rio. O Rio que vai continuar lindo, mesmo depois da nossa morte. Não sei se me mato com torresmo, se pulo de asa delta, se escrevo um poema. São tantos dilemas.

A atmosfera por aqui, carente de oxigênio, faz coisas na cabeça da gente. Mais um chope, é claro que eu aceito. Uma morena, uma pérola negra, posa para fotografia. Sorria, você está no Rio de Janeiro. Um Rio com uma beleza que nunca tira férias, uma cidade que vai continuar linda por décadas, por séculos, quem sabe, sem data de vencimento, enquanto houver planeta, enquanto houver sol, a despeito do efeito estufa, do derretimento do gelo nas calotas polares, da tábua das marés, de um potencial e enorme tsunami. Rio, por favor, retribua: me ame. Nem o mais místico pajé yanomami faria ideia do quanto é saudável olhar o Rio de Janeiro aqui de cima. Mais um chope, é óbvio que eu aceito. Viver é um drama. O balconista aumenta o volume. Pelo rádio, um locutor anuncia que acaba de falecer o cantor Luiz Melodia. O garçom piadista altera-se, comove-se e chora. Sinto um baque incrível, procuro um papel para escrever, para me salvar a qualquer custo. Mesmo assim, para onde quer que se olhe, o Rio de Janeiro continua lindo. Mais triste e lindo a cada dia. Para sempre. (Em memória de Luiz Melodia).

P.S. — Seguem abaixo, as dez melhores canções do cantor e compositor Luiz Melodia, de acordo com uma enquete realizada junto aos leitores da Revista Bula por meio das redes sociais. Salve, Melodia!

Clique para ouvir pelo Spotify

4294