As 10 mulheres mais bonitas do cinema, sem clichês

As 10 mulheres mais bonitas do cinema, sem clichês

Não existe nada mais fútil e redutor do que listas de “mais belos”. Não importa se é lista de mulheres mais belas, homens mais belos, atletas mais belos ou smurfs mais belos. Por isso, não adianta disfarçar e incluir nomes por fama, protagonismo, idade, razões étnicas ou geográficas. O estrago já está feito, se você se propôs a fazer ou ler uma lista de “mais belos” automaticamente se torna fútil e redutor. Salvo se for um patrulheiro que já começa indignado, lendo ao mesmo tempo em que grita “Mas o que é isso? Mas o que é isso? Mas o que é isso?”, aí você é só um chato politicamente correto mesmo.

Essa lista de musas do cinema não tem espaço para obviedades. De cara aviso que megaestrelas pop não tem lugar garantido. As montadas Marylin Monroe, Kim Novak e Rita Hayworth estão fora. Pretensas obviedades como Elizabeth Taylor e Brigitte Bardot também. Sophia Loren perdeu o lugar por um nariz de distância. A gracinha Audrey Hepburn saiu por não ter peso suficiente para doar sangue. Halle Berry, Michelle Yeoh e Kim Basinger são lindas, mas só possuem lugar garantido no top dez de “Bond Girls”. A exclusão de Grace Kelly é a que mais lamento. Ela é, literalmente, uma princesa, mas esse é justamente o problema, é quase uma princesa Disney. Verdadeiramente bela, recatada e do reino. Grace Kelly é como a bailarina de Chico Buarque: “não tem verruga, nem frieira, nem falta de maneira ela não tem”. Falta “balacobaco, ziriguidum, telecoteco” para ser inclusa em uma lista que não leva em conta o peso histórico da figura.

Brasileiras vips como Vera Fischer, Sheron Menezzes e Gisele Bündchen foram consideradas, mas acabaram em menção honrosa. A vice-miss universo de 1954, Martha Rocha, que apareceu em muitos cinejornais, mais uma vez ficou de fora por duas polegadas a mais. Por outro lado, a vice-miss universo 2007, Natália Guimarães, entraria se tivesse feito algum filme e não tivesse se casado com um KLB.

Só posso lamentar que não houve espaço para divas imortais como Catherine Deneuve, Sharon Stone, Isabelle Adjani, Catherine Zeta-Jones, as coadjuvantes de “Mad Max 2”, Bibi Andersson, Louise Brooks, Débora Nascimento, Marina Vlady e Ruth Romcy. De resto, só reafirmo que esse é uma lista (quase) totalmente pessoal. Se não gostou, faça a sua e seja também fútil e redutor.

880